GUSTAVO

quarta-feira, novembro 12, 2008

BISÚ DO CORREDOR


TREINAMENTO DE BASE


O VOLUME DE TREINAMENTO NA FASE BÁSICA ATRAVÉS DE CORRIDAS CONTÍNUAS, MELHORA O DESEMPENHO DO ATLETA, AFASTANDO-O DE FUTURAS LESÕES DURANTE A PERIODIZAÇÃO ESPECÍFICA DE TREINAMENTO.

O termo base significa o alicerce, a estrutura, a segurança na construção de um atleta, fazendo com que esta construção se torne sólida e segura. É de grande necessidade aumentar as condições aeróbicas nesta fase de trabalho, principalmente nos corredores de longas distâncias (fundistas). O treinamento ideal nesta fase de trabalho é o treinamento em steady state, trabalho este, em que o corredor treina com uma frequência cardíaca determinada, mantendo um equilíbrio entre o oxigênio inspirado e o gás carbônico expirado, provocando, assim, uma melhor adaptação e condição cardiovascular. Cada treinador mantém uma determinada filosofia de trabalho, porém, que fique bem claro a seguinte indagação, o treinamento de base significa condicionamento físico para uma programação anual, sem intercorrências de problemas de lesões musculares, sendo a segurança de quem treina e de quem é treinado. Além da boa alimentação e trabalho de força com ou sem aparelhos, os corredores de fundo devem impreterivelmente aumentar o volume nas corridas de longa duração.

GRIPE E TREINO
Quando um atleta encontra-se em estado gripal, torna-se necessário que o mesmo descanse e suspenda imediatamente seus treinamentos, tratando deste estado patológico adequadamente. O estado gripal proporciona uma diminuição do sistema de defesa do organismo, enfraquecendo-o. Neste período, é aconselhável um bom descanso e uma dedicação integral na melhora do estado gripal, procurar também, manter-se bem alimentado e ingerir bastante líquido na temperatura ambiente. Quando se treina em condições anormais (gripal), poderá aparecer problemas musculares (dores musculares intensas), não surtindo, dessa forma, efeitos benéficos para o organismo ou vida atlética. Sendo assim, o ideal para o atleta que se encontra em estado gripal, é o afastamento dos treinamentos e dos outros atletas.


RITMO DE TREINO
Ritmo significa variação de movimentos de forma constante, onde cada técnico tem a sua filosofia de trabalho, não esquecendo de evidenciar a diferença de performance atlética entre um atleta e outro. O corredor de fundo consiste de corridas em ritmo com intensidade moderada, porém, esta intensidade deve ser ideal para que ocorra as adaptações fisiológicas atléticas. As distâncias para o controle de ritmo variam de repetições de 400 a 1.200 metros, já os treinamentos longos (longões) devem ser realizados pelo menos a cada oito dias. Um exemplo claro que podemos mencionar, é o corredor de 10.000 metros rasos, onde se sugere um longão de 16 a 20km mais lento 10 a 15% que sua melhor marca. A programação de um longão, em uma determinada planilha de treinamento, é o planejamento de acordo com o objetivo e a especialidade do atleta. Já o longão de um maratonista varia de 28 a 32km, com intensidade de 15 a 20% mais lento que sua melhor marca.

TREINAMENTO EM LADEIRAS
Quando realizamos este treinamento (ladeira), é proporcionado ao atleta inúmeros benefícios, todavia, se for feito de maneira inadequada, o atleta poderá desenvolver várias lesões musculares, fazendo com que a corrida se torne nociva. Este tipo de corrida, realizada em aclives e declives, promove um ótimo estado de condicionamento físico e seguro desempenho atlético. Através do peso do próprio corpo durante o treinamento, faz com que a musculatura dos membros inferiores recebam um trabalho de resistência muscular localizada, promovendo assim, um melhor fortalecimento dos mesmos. Correr somente em terrenos planos, dá ao corredor uma falsa ideia de que está com uma ótima performance atlética. Geralmente, o corredor aumenta erradamente a velocidade no momento do declive, de maneira em que este aumento proporciona contusões musculares, articulares e tendíneas. No momento do declive, é ideal que o atleta mantenha uma melhor atenção quanto ao ritmo e equilíbrio corporal. Algumas informações aos atletas e técnicos sobre este tipo de treinamento (ladeira): O atleta deve encontrar-se em um bom estado de condicionamento físico; o tênis não poderá ser de solado alto; o trabalho de ladeira deve ser antecedido de um mesocilo de treinamento aeróbio. Por isso, ataque a ladeira para não ser atacado por ela.

PISO PARA O FUNDISTA
Os atletas fundistas devem treinar preferencialmente em estradas ou percursos de terra batida. Nos grandes centros urbanos, em que este tipo de piso é uma raridade, com o intuito de evitar o forte impacto durante o treinamento longo realizado no asfalto, faz-se necessário o uso de calçados com uma boa tecnologia a impactos no solo duro e impreterivelmente deve-se evitar o trabalho anaeróbico em tal solo.
(FERNANDES, 2003 e VENTURA, 2008)

0 Comentários:

Postar um comentário

Assinar Postar comentários [Atom]

Links para esta postagem:

Criar um link

<< Página inicial